quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Minha vida tem trilha sonora

Bom dia! 
Hoje falarei das bandas, dos músicos e das músicas que fizeram e fazem parte da minha história de vida!
Minha vida tem trilha sonora! Mesmo que eu esteja no silêncio, tem sempre alguma música tocando dentro de mim! E eu me movimento no ritmo das batidas que estão tocando em minha cabeça. E assobio e cantarolo! Não pensem que sou louca! Não, não! Isso é ótimo! Deviam experimentar!
Além das músicas que tocam em mim, também tem as que eu escuto no aparelho de som, claro! Adoro músicas! Dos mais variados estilos... E tenho uma certa facilidade para memorizá-las! Isso às vezes irrita um pouco quem está perto de mim! Estou ouvindo uma música pela primeira vez e quando o refrão repete eu já canto junto! Daí as pessoas me perguntam: “Você já conhecia essa música?” Tem vezes que fico até constrangida em dizer que não! Mas sou assim! O que posso fazer?
algum tempo aprendi a tocar violão! Dá para imaginar que essa história toda de trilha sonora tenha piorado um pouco, não é mesmo?
Mas o fato é que eu adoro isso! Adoro essa trilha sonora que me acompanha onde quer que eu vá! Mesmo que mais ninguém esteja ouvindo!

Infância: as primeiras músicas de que tenho lembrança de ter ouvido e gostado são as músicas do Balão Mágico (“super fantasticamente, que bom estar com a gente no nosso balão...”), Trem da alegria (“Cola o teu desenho no meu pra ver se cola, cola teu retrato no meu e me namora...”) e Toquinho (“numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo....”). Alguns anos depois, mas ainda na infância, lembro-me de ter escutado umas músicas de “gente grande” que realmente chamaram minha atenção. O primeiro cantor que me fez parar ainda pequenininha  em frente a televisão e pensar “Isso é muito bom!” foi Cazuza, com sua bandana amarrada na testa cantando “Brasil mostra tua cara, quero ver quem paga pra gente ficar assim...” e depois com sua Faz parte do meu Show (“Te pego na escola e encho a tua bola com todo meu amor...”), nessa mesma época conheci Marina (“vem chegando o verão um calor no coração...”), Fernanda Abreu com o seu “Rio quarenta graus”, Marisa Monte com sua linda voz cantando “Bem que se quis depois de tudo ainda ser feliz...” e Almir Sater. Apaixonei-me pelas músicas do Almir Sater assistindo as novelas Pantanal e Ana Raio e Zé trovão. Depois dessas confissões vocês devem estar se perguntando quantos anos eu tenho! Tenho 33, mas é que desde criança essas músicas boas já me chamavam a atenção.

Pré-adolescência: foi aqui que aprendi a gostar de um tanto de artistas! Eu era assim: às vezes escutava uma música na rádio, ou um som que vinha da casa da vizinha e ficava eletrizada! Lembro-me bem de Nenhum de Nós e suas músicas lindas como Astronauta de Mármore (“a lua inteira agora é um manto negro...”), RPM e Paulo Ricardo com sua voz sexy cantando Olhar 43 (“Teu corpo é fruto proibido é a chave de todo pecado e da libido...”), Engenheiros do Havaii com o Papa é Pop,  Marisa Monte, que nunca mais saiu do rol das minhas artistas preferidas, conheci Legião Urbana ouvindo Eduardo e Mônica, Ira (“Você é meu sol..”), Ultraje a Rigor com seu radinho de pilha (“não posso mais viver assim do seu ladinho...) e o incrível Djavan. Também descobri nessa época um LP do Chico Buarque, que era da minha mãe, que me encantou! Adoro as músicas dele, as cantadas por ele e as interpretadas pela Gal Costa ("se acaso me quiseres, sou dessas mulheres que só dizem sim..."). Também na pré-adolescência e depois a vida toda, Elis Regina e suas belíssimas interpretações: "O bêbado e o equilibrista", "Como nossos pais", "Fascinação" e tantas outras músicas me encantaram e ainda me encantam! Esses foram os destaques desse período da minha vida.

Adolescência: Nessa época a gente começa a gostar mais de músicas românticas, passei a ouvir Bon Jovi (que ainda era Jon Bon Jovi), Guns n’ Roses e a inesquecível November Rain, Alanis Morissette, Lulu Santos, Barão Vermelho, Roupa Nova, Kid Abelha, Roxette, continuei ouvindo minha amada Marisa Monte, Legião Urbana e Engenheiros do Havaii. Aqui surgiu a banda mineira Skank que eu também adorava ouvir. Acho que foram esses os destaques desses anos.

Juventude: Esta época coincide com minha entrada para a Faculdade, eu ouvia muito Paralamas do Sucesso, Jota Quest, Skank, Capital inicial, Leoni, (tive o prazer de assistir a shows desses cinco citados anteriormente), também ouvia muito Djavan, conheci a cantora fantástica Ana Carolina, e aqui me tornei um pouco mais eclética! Aprendi a gostar das músicas baianas: Chiclete com Banana, Asa de Águia, Ivete (ainda na banda Eva), Claudinha Leite (ainda no Babado Novo). Também comecei a ouvir sertanejo: Edson e Hudson, Bruno e Marrone, anos depois vieram Victor e Léo, Jorge e Mateus e Paula Fernandes. Também ouvia muito pagodinho e forró nas festas universitárias! Dancei muita música agarradinha!

Depois dos 30: Hoje ainda gosto de todos esses artistas que mencionei, mas depois dos 30 conheci Seu Jorge, Lenini, Nando Reis, e nunca abandonei meus eternos amores: Marisa Monte, Lulu, Leoni, Paralamas, Jota Quest. Foi aqui que conheci Adele, essa inglesa maravilhosa que eu adoro (a voz, as letras e os arranjos das músicas são perfeitos!). Recentemente me apaixonei pela Malta, tenho o CD deles, fui ao show e adoro! Também gosto muito de Taylor Swift, Rhianna, Nickelback e Beyoncé (apesar de não ouvir tanto).


Bom gente, é isso! Espero que tenham gostado! Beijos e até a próxima!

Deixe seu comentário usando o facebook!