segunda-feira, 2 de março de 2015

Minha opinião sobre os filmes Wiplash e Birdman

Bom dia!

Como estão? Como passaram o final de semana?

Assisti nos últimos dias aos filmes Birdman (ou a Inesperada virtude da ignorância) e Wiplash - Em busca da perfeição.

Começando pelo Birdman: o filme levou quatro prêmios do Oscar (melhor filme, melhor diretor, melhor fotografia e melhor roteiro original), mas sinceramente não gostei muito. O filme está dentro dos gêneros comédia e drama, mas o achei um pouco parado, fato que o torna cansativo. O roteiro realmente é bom, fala de um ator de cinema, que já havia feito bastante sucesso no passado por interpretar um super herói chamado Birdman (O homem pássaro), mas que com o tempo caiu no esquecimento e perdeu todo o dinheiro que ganhou com a fama. Ele resolve então adaptar um romance antigo para uma peça na Broadway. O filme se passa nos bastidores do teatro, nas pré-estreias. O personagem central interpretado por Michael Keaton, que realmente mereceu a indicação de melhor ator por sua atuação brilhante, é atormentado pelo seu subconsciente na forma do seu famoso super herói Birdman. Por muitas vezes ficamos pensando se o que estamos vendo está acontecendo mesmo ou se é só a mente atormentada do personagem. Acho que o filme tinha tudo para ser ótimo, mas na minha humilde opinião ele realmente acaba sendo um pouco cansativo.

Também assisti ao Wiplash, (este eu adorei!). Wiplash é o nome de uma música de Jazz que está sendo ensaiada durante o filme, que conta a história de Andrew Neyman, um jovem e solitário baterista, interpretado lindamente e com louvor pelo ator Miles Teller, que sonha em ser o melhor da sua geração tocando jazz. Ele entra para uma escola de música, o conservatório Shaeffer, onde chama a atenção de um mestre do Jazz, chamado Terence Fletcher, que deu ao ator J. K. Simmons o Oscar de melhor ator coadjuvante. Andrew é um obstinado, disposto a fazer o que for preciso para alcançar seu objetivo. O ator Miles Teller, de 28 anos, (é o Peter de Divergente, também atuou em Namoro ou liberdade, título original: That awkward moment e O maravilhoso agora, um filme lindo em que contracena com Shailene Woodley, a Hazel Grace de A culpa é das estrelas) o ator toca bateria desde os 15, mas li que ele intensificou muito os ensaios para fazer o filme tanto que realmente chegou a machucar bastante as mãos. No filme seu personagem toca até as mãos sangrarem. Fletcher é um carrasco, daqueles que a gente tem vontade de dar uma boa surra enquanto assisti ao filme, ele humilha seus alunos e exige deles algo que chega a ser sobre humano. Enfim, é um filme lindo sobre persistência, perseverança e obstinação. Levou os prêmios do Oscar de melhor montagem, melhor mixagem de som e melhor ator coadjuvante. Todos merecidíssimos! Assistam, vale muito à pena.

Bom, é isso aí pessoal! Espero que tenham gostado dos meus comentários! Beijos e até a próxima!

Deixe seu comentário usando o facebook!