segunda-feira, 4 de maio de 2015

A felicidade alheia incomoda

A felicidade alheia incomoda

 Renata R. Corrêa

           
            Eram apenas dois garotos, quase duas crianças. Cidade pequena, mocinho vindo de fora, a melhor amiga apaixonada por ele e pedindo que ela se aproximasse, fizesse amizade, com o intuito de ajudá-la... Isso nunca dá certo! Porque em se tratando das coisas do coração ninguém tem o controle da situação.
            Mesmo contra sua vontade, pois a princípio o achou um pouco antipático, foi lá e se conheceram. Rapidamente se tornaram melhores amigos e descobriram que tinham muitas afinidades e sonhos em comum. O que aconteceu? Tudo o que não podia! Acabaram se apaixonando um pelo outro. E a amiga? Quase morreu! Quase a matou! Mas o que sentiam já era inevitável, incontrolável. Simples assim: o amor tinha acontecido (porque o amor é mesmo um acontecimento). E de verdade? Amou-o com a pureza, ternura e sinceridade de uma criança. Com a paixão e profundidade de uma mulher. Queria estar sempre ao seu lado, queria guardar seus melhores sorrisos e as conversas infinitas, os carinhos, os beijos. Eram um casal perfeito: amigos, companheiros, engraçados. Certa vez ela encheu a cara num final de ano e ele a levou para casa, depois de, nada romanticamente, ter vomitado por todas as ruas da cidade. Aliás, naquele dia ele verdadeiramente se apaixonou (vai entender!). Depois foi sua vez de encher a cara e a dela de levá-lo para casa.
            Mas apesar de tudo, eram apenas duas crianças felizes. E a felicidade alheia incomoda... Um belo dia ele ficou doente e, sem saber bem porque, ela não foi visitá-lo. Talvez por vergonha de assumir diante da sua família que estavam namorando, coisas de adolescente do interior...  Um garoto, que um dia se encantou por ela, aproveitou-se da situação para semear a desconfiança e a discórdia. Disse que ele já não se importava com ela, que havia dito a ele que aquele “caso” não significava nada e que até já estaria de olho em outra menina. Ele era seu amigo (pelo menos ela pensava ser), acreditou. Seu mundo desabou. Chorou lágrimas que encheriam um rio e o odiou, mesmo sem odiar. Sentiu seu orgulho ferido. Teve vontade de ir até a casa dele e à beira do seu leito de convalescença tirar satisfações. Queria ouvir aquilo da sua boca. Não foi...
            Os dias se passaram, ele melhorou, encontraram-se na rua como dois estranhos. Seu coração estava apertadinho dentro do peito e a tristeza fazia dela apenas sombra do que era. Mas o orgulho ferido de uma mulher (mesmo que ainda menina) a faz passar batom vermelho, calçar salto alto e ensaiar seu sorriso mais bonito para exibir em público. Assim o fez. E assim o perdeu de vez.
            As semanas passaram logo, era Carnaval. Depois de beber um pouco (e nessa época bem pouco mesmo já a deixava “de fogo”) o avistou com a tal menina, de quem o amigo havia falado. Não aguentou. Seu sangue ferveu na cabeça ligeiramente alcoolizada e se aproximou dos dois: “Preciso falar com você”, disse olhando nos olhos dele com toda a tristeza e mágoa de um coração partido. Ele a olhou, não disse que não, ao contrário, concordou, deixou a menina e a acompanhou.
            Conversaram por horas. Choraram. Ele contou que o mesmo amigo havia o visitado quando esteve doente e disse-lhe que ela andava saindo sozinha, que estava feliz, que havia dito não gostar mais dele e já estar interessada em outro. Ele era seu amigo (ou ao menos pensava assim), acreditou. Sentiu seu orgulho ferido, raiva, mesmo ainda apaixonado jurou nunca mais a procurar. E arrumar outra para “esfregar na cara dela”. E assim o fez. E assim a perdeu de vez. E assim os dois se perderam um do outro.
            Mas já havia passado tanto tempo! A mágoa de ambos era tão grande, que mesmo depois de terem descoberto que tudo não passou de uma armação, não puderam se perdoar nem um ao outro, nem a si próprios. O namoro terminou triste assim: entre lágrimas de amor e afagos no cabelo, carícias no rosto e um abraço apertado que parecia não ter fim. Não pediram perdão, apenas se lamentaram.

            O sentimento que ficou demorou mais do que o tempo para passar. Mas as lembranças vão ficando desbotadas até desaparecerem. E aquele amor que de tão grande doía no peito, angustiava, sufocava, de tanto não ser correspondido um dia acabou. Assim acabou para eles.

Tenham uma boa semana! Conheçam meu novo romance no Wattpad:
 "As coisas não são bem assim - sobre a vida e o amor" 
http://www.wattpad.com/story/38741842-as-coisas-n%C3%A3o-s%C3%A3o-bem-assim-sobre-a-vida-e-o-amor

Deixe seu comentário usando o facebook!