terça-feira, 26 de maio de 2015

Como manter o romance numa relação após casamento e filhos?

Olá pessoal! Mais uma vez estou escrevendo um texto a pedido. Desta vez vou atender a querida Vanessa Honorato que sugeriu o tema "como manter o romance após os filhos". Este será um desafio e tanto, já que ainda não sou mãe. Mas sou casada e tenho muitos amigos e familiares jovens que têm filhos. Então vou deixar aqui minha opinião a respeito do assunto, que vem mais da observação do que da prática. Vamos lá!



Quando duas pessoas se apaixonam e começam um relacionamento sério tudo é lindo! Tudo é novo. As descobertas encantam e reforçam a paixão. Os encontros não são diários e cada um tem sua vida particular, suas manias, gostos e personalidades. Cada encontro é esperado, celebrado. Ambos se enfeitam um para o outro e as horas ou os dias longe fazem com que a saudade apimente a relação. O tempo passa e esse jovem casal apaixonado decide dar o próximo passo: o casamento, ou vão morar juntos mesmo sem casarem. A vida a dois debaixo do mesmo teto já é um grande teste! Hoje posso dizer com propriedade de causa que só se conhece alguém verdadeiramente quando se vive junto. Morando junto, ambos passarão a ter que conviver com as responsabilidades domésticas, lavar a louça, a roupa, pagar as contas... Ainda conhecerão de perto o outro com todas as suas manias e particularidades. Mesmo aqueles casais que logo de cara já contratam uma diarista ou uma empregada doméstica acabarão tendo alguns afazeres domésticos incluídos em sua rotina, já que não dá para delegar tudo a outra pessoa. Passado o período de adaptação, que pode ser mais agradável e fácil para uns ou mais difícil e traumático para outros, enfim, tendo se adaptado a essa nova realidade o casal continua feliz, saindo para jantar fora, cinema, teatro, viagens, até que um dia recebem a mais bela notícia que poderiam receber: a família vai aumentar! O tão esperado filho, ou inesperado, vem para encher a vida do casal de alegria, reforçar o amor e a união! Será mesmo? Algumas estatísticas (de revistas femininas e afins) mostram que é justamente durante o período da gravidez e pós parto que os maridos mais traem. Chocante? Absurdo? Observando várias e várias famílias que passaram recentemente pelo nascimento do primeiro filho, sinto-me a vontade para dizer o que penso: totalmente compreensivo. A traição na minha opinião é imperdoável. Mas paremos para pensar um pouquinho e ver quem está traindo quem. Passada a empolgação da notícia a mulher vê-se definitivamente grávida e começam os sintomas do primeiro trimestre, mais intenso para umas e menos para outras: enjoos, diminuição da libido, tudo cientificamente explicado pela variação hormonal descomunal, tudo bem, dá para entender que  a mulher não fica muito disposta, o marido compreende e na maioria das vezes passam todo o período sem sexo! Três meses sem sexo! Ok, ok. Deu para aguentar a seca, mas precisa mesmo acabar com todo o romance da relação? E eu pergunto isso para os dois! A mulher por mais irritada e indisposta que esteja precisa se lembrar que ainda tem um marido e que se ela não der a mínima assistência, estará sim abrindo a concorrência (como diria o velho ditado popular). Então meninas, mesmo que não vá rolar uma noite quente de amor, dê carinho a seu companheiro. Lembrem-se que vocês ainda são um casal e que beijar à boca aproxima vocês. Beijem-se. Façam carinho um no outro. Assistam filmes juntinhos, conversem sobre o que está acontecendo. Façam planos. Não deixem de se namorar! Vocês homens, sejam sensíveis e compreensivos e entendam que suas mulheres estão hormonalmente descontroladas, loucas, surtadas e que precisam mais do que nunca sentirem-se bonitas e amadas! Caprichem nos elogios. Comprem presentinhos para deixá-las bonitas e felizes.  Passou o primeiro trimestre! Ufa! A  barriga ainda está pequenininha, agora a mulher já não sente-se tão cansada, na maioria das vezes a fase dos enjoos já passou e a libido começa a voltar ao normal. Hora de namorar! Não vai querer ficar 9 meses na seca, não é mesmo!? Então aproveitem para fazer as coisas que gostavam de fazer antes da gravidez. Divirtam-se e não deixem o sexo de lado. Não faz mal para o bebê, pode acreditar! Além de escritora sou médica e sei do que estou falando! (Salvo raros casos em que ocorram complicações na gravidez, como descolamento de placenta e a mulher realmente precise ficar de repouso). O terceiro trimestre chegou! Agora a barriga começa a ficar enorme, a mulher sente dores na coluna e no quadril, a indisposição fica maior, ela fica inchada, começa a sentir-se feia e o marido vai para escanteio! Meninas! Não abandonem seus maridos! Existem muitas mulheres solteiras, livres, desimpedidas, magrinhas, saradas querendo um homem. Sem contar que existem as profissionais do sexo! Ah, melhor nem pensar tanto! Mas escutem-me: aproximem-se, comecem a preparar as coisas para a chegada do bebê juntos, conversem sobre outros assuntos que não apenas maternidade. Encontrem uma forma de continuar sendo um casal apaixonado. Maridos! Não troquem suas esposas lindas por qualquer rabo de saia! Isso não vale  a pena! Tenham calma, é uma fase e ela vai passar e logo, logo tudo voltará ao normal! Será? Sabe o que eu cansei de ver? Mulheres que surtam depois do nascimento do filho! Colocam o menino para dormir entre o casal, além de ser perigoso, pois vocês podem virar durante o sono e rolar sobre a criança sufocando-a, isso tira totalmente  a privacidade do casal! Colocar o bercinho os primeiros dias do lado da cama eu entendo, facilita as coisas, mas os primeiros dias! Não deixe o bercinho fazer aniversário no quarto do casal! Passado os dois primeiros meses a vida vai lentamente voltando ao normal, a criança já não acorda tantas vezes para mamar, a mulher já saiu do período de resguardo, o alarme começa a soar e vocês casais, precisam escutá-lo! É hora de lembrarem-se que são marido e mulher, namorados, que precisam ter seus momentos de intimidade e carinho. Assim que possível, deixem o bebê com os avós ou com a babá uma vez por mês e saiam sozinhos. Certamente ficarão preocupados nas primeiras vezes, mas vocês vão aos poucos adquirindo confiança com quem deixam a criança e ficarão mais a vontade para curtirem-se. Está difícil namorar em casa porque vocês já têm filhos maiores? Então aproveitem esse dia no mês, que é só de vocês, comecem a noite num restaurante e terminem num motel. Sim, MOTEL! Um relacionamento não pode virar só amizade, senão uma hora acaba.  Quando você se torna apenas amigo do seu parceiro, e isso vale tanto para homens quanto para mulheres, você abre espaço para que a pessoa acabe se encantando por outro alguém, apaixone-se e daí: FIM. É isso que você quer? Tenho certeza que não! A pessoa que está ao seu lado é seu amor, foi você quem escolheu, porque amava e queria passar o resto da vida juntos, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, então não abandone esse amor! Cuide dele. Amor exige cuidados, diários, "bom dia" e "boa noite", sorrisos e abraços, piadas que só vocês entendem, aquela música especial que inevitavelmente despertará a vontade de dançarem agarradinhos... Vocês são pais, mas ainda são os mesmos! Nunca se esqueçam disso! E quer saber? Filhos que crescem numa família harmoniosa vendo pai e mãe se darem bem, carinhosos e apaixonados, são mais tranquilos. A solidez da estrutura familiar ampara a criança. Mesmo que o tempo passe e leve sua juventude e disposição nunca se perca desse(a) jovem que você é hoje! Nunca perca o gosto de viver e a vontade de voltar para casa e ser recebido pelos braços de quem ama. Não esqueça de dizer isso a ele(a) todos os dias: "Eu amo você", mas de verdade, com o coração e não somente com a boca. Não deixe o romance morrer. Nunca! Morra antes que ele. 

Deixe seu comentário usando o facebook!